Ansiedade


Fico feliz em poder escrever sobre isso hoje, porque escrever sobre isso significa que eu já superei muita coisa. Então, saiba que, seja lá o que for que você esteja passando, está passando.

Vou tentar resumir tudo por aqui, e vou deixar salvo um destaque no Instagram falando somente sobre isso nos stories, já que muita gente me pediu para comentar o assunto por lá: @amandagabriielle


O começo


Eu sempre fui uma criança ansiosa, passava mal algumas vezes em situações novas, como festas, apresentações e momentos importantes em geral. Por volta dos meus 16 anos, quando precisava tomar decisões sobre o que faria da vida, quais caminhos seguiria, e também após um momento de estresse pós traumático, desenvolvi o transtorno de ansiedade. A primeira vez que senti a crise de ansiedade foi quando vivi uma situação parecida com uma situação traumática que eu havia vivido antes, foi repentina e eu não soube de cara o que estava acontecendo.
Nesse dia fui para o hospital, achava que iria morrer, que estava com algum problema físico, e ai começou uma saga de passar por diversos e diversos médicos, de todas as especialidades, e me submeter a muitos exames, até cansar de ouvir de todos eles que o que eu tinha não era um problema físico, mas sim um problema de ordem psicológica.


Os sintomas


Demorou semanas e semanas para que eu me convencesse de que aquilo que acontecia era mental e não físico. Eu perdia o controle das pernas, da respiração, acordava e ia dormir com as mãos e pés molhados de suor, o coração batia rápido 24 horas por dia. Mesmo diante de tudo isso, eu nunca me deixei vencer pela ansiedade. Só quem já passou por isso sabe a agonia que é, o quão grande é a tristeza nesses momentos, e hoje, olhando para trás, percebo que fiquei muito perto da depressão.

Os desafios


Nessa fase, coisas simples se tornaram um grande desafio para serem feitas. Na época eu estava nos últimos anos do ensino médio, e até ir para a escola era um desafio. Era difícil frequentar lugares cheios, sair sozinha, ficar sozinha, fazer planos, cumprir algum compromisso, viajar. Me lembro de andar em algumas ruas que eu achava gigantescas na ansiedade, e hoje vejo que são ruas super pequenas. Tudo era muito maior, desproporcional. Mas eu nunca me deixei parar, se eu sentia medo de algo eu fazia questão de ir lá e fazer, eu ia tremendo, passando mal, mas não deixava de ir.

Se eu sentia que não seria capaz de fazer alguma coisa, eu ia, só de teimosia, tremendo e suando, chorando muitas vezes, mas nunca deixei a ansiedade vencer, em nenhuma hipótese.

O começo da melhora 


Houveram alguns dias em que eu sentia um peso tão grande por estar vivendo aquilo que eu só pensava em como poderia sair daquela situação. Foi aí, que junto com a minha família eu decidi e comecei a terapia, acredito que eu tinha uns 18 anos quando iniciei o tratamento. Não tomei remédios controlados, optei por passar por isso de forma natural, e jamais julguei e jamais vou julgar alguém que optou por tomar, porque na verdade, não é uma escolha, a ansiedade não é uma escolha, a única escolha que temos diante dela é a de vencer e encontrar o melhor controle, a melhor forma, o que faz sentido para cada um.

A terapia me tirou daquele beco que parecia ser infinito. Me ajudou a entender o que estava acontecendo, me ajudou a tirar todos os nós que estavam na minha cabeça, me deu clareza e consequentemente, me deu o controle. Passar pela terapia transformou muita coisa na minha vida, positivamente.Eu recomento MUITO, não só para quem passa por um transtorno, mas para qualquer pessoa que queira evoluir de alguma forma.


Eu jamais poderia deixar de falar sobre essa parte. Fé, espiritualidade, tudo aquilo que te conecta com Deus faz com que você passe por esse momento de uma forma um pouco mais leve. Na época, eu me encontrei em uma igreja que apesar de não frequentar mais, ainda é muito especial para mim, e foi nela que eu encontrei conforto, pessoas e momentos que me deram coragem e me fizeram crer sem duvidar de que eu melhoraria. E eu melhorei!
Durante a ansiedade cheguei a ver várias pessoas falando que aquilo não teria cura, que eu precisaria viver sempre daquela forma, e não é verdade. Todo transtorno, toda crise, todo problema de ordem psicológica pode SIM ser superado, tratado, revertido. Hoje eu só levo comigo lições boas que eu aprendi nessa fase.

Controle


Com o tempo eu aprendi a controlar e domar a ansiedade. Ainda sou ansiosa, e acredito que vou sempre ser, pelo menos um pouco. Mas hoje eu tenho controle, eu aprendi a respirar (você sabia que muitas vezes respiramos errado? Eu também não sabia). Aprendi a controlar os meus sentimentos, aprendi a lidar com os meus pensamentos, aprendi a meditar, a me compreender, a equilibrar, a ver valor nas coisas simples.


Enfim, esse fui um resumo muito breve sobre o transtorno de ansiedade, sobre a forma repentina como ele apareceu, sobre uma personalidade que sempre foi ansiosa, sobre os sintomas e o tratamento. Caso você esteja passando por isso saiba que é sim, totalmente possível, controlar e viver livre desse transtorno. Busque ajuda, não tente passar sozinho por isso, e com certeza você sairá mais forte dessa fase. No fim, fica tudo bem. <3 


Um comentário: