Amanda Gabrielle

A ansiedade e eu



Minha história com a ansiedade sempre existiu de forma natural, eu sempre fui uma pessoa naturalmente ansiosa. Mas a ansiedade se sobressaiu, se tornando uma ansiedade comum, mas sem nada de normal.

Aos 17 anos me vi adoecendo, sem saber do quê. 
O coração palpitava, os pés molhavam as meias e sapatos, o estômago não aceitava direito as refeições, a cabeça doía e o pulmão não parecia funcionar direito. 
Passei em todos os médicos possíveis, fiz todos os exames cabíveis, e a resposta era sempre a mesma: "Não há nada de errado com você." Mas só eu sabia o quão errado tudo estava. Ao decorrer dos exames eles perceberam: "Seu problema está na mente, é ansiedade."
Aos 17 anos a vida me cobrava decisões que eu não estava pronta para tomar. Me era imposto escolher o que eu faria para o resto da vida, e eu mal sabia escolher o sabor de sorvete que eu mais gostava. Enem, vestibulares, pressões, padrões, relações sendo construídas e outras sendo cortadas, eu acumulava coisas das quais eu não queria carregar. Fardos ... Mil sonhos, 10 mil palpites, e óbvio, ninguém é de ferro, ainda mais nessa idade.

Aos 18 comecei a fazer uma faculdade que eu também não gostava, mas me disseram que se eu fizesse eu seria bem sucedida (hoje eu sei que a maioria das pessoas que falam isso nem sabem o significado dessa frase.) Com matérias que eu não gostava, sentindo que estava gastando meus dias com coisas contrárias das quais eu nasci para fazer, somando com vários fatores externos, eu me vi em uma situação da qual eu não me reconhecia mais. Eu só sabia ter medo, tudo era tão novo, eu tão nova, e aquelas sensações que o medo me causava me traziam mais medo ainda. Eu me via presa. Mas sabe de uma coisa ? Eu jamais pensei em me entregar, isso não era uma opção pra mim. E aqui começa a melhor parte do texto:

A cura
Quando eu me percebi sem o controle do meu corpo e mente eu fui atrás da minha cura. Conversei com a minha família, e eu considero esse o primeiro e mais importante passo: Se abra, converse, fale sobre isso, esclareça, deixe claro ! Decidimos que eu começaria a terapia, e essa foi uma das melhores decisões que eu tomei. A terapia é incrível, reveladora, acolhedora, te entrega de volta a sua visão, o seu controle, te entrega de volta á você mesmo.
Mas antes da terapia eu comecei um método que eu chamo de teimosia. Se eu tinha medo de ir até algum lugar era exatamente lá que eu iria. Se eu me sentia afobada ao fazer algo, era justamente isso que eu iria fazer. Se era difícil ficar só, era só que eu iria ficar, só para mostrar para o medo que ele não iria me vencer, que ainda que as pernas tremessem (igual vara verde, como diria minha avó) eu não me entregaria.
Na terapia eu me entendi, entendi meus sonhos, meus medos, meus anseios, meus limites. Conheci os gatilhos da minha ansiedade e aprendi a driblá-los. Poupo a pouco, um dia por vez, uma mini conquista por semana era mais um metro que eu andava. Fui me reconhecendo, me conhecendo, aprendendo quem eu era. Identidade.
Remédios de verdade nunca foram minha vontade, minha meta era conseguir sem eles. A TPM (um dos gatilhos que poderia gerar as crises em mim), começou a ser tratada com remédios totalmente naturais, e deu certo. Até que, em uma época conturbada, já no final do meu tratamento com a terapia, crises na minha família fizeram minhas estruturas tremerem novamente. Eu não tinha mais crises, mas me via ansiosa e estressada em todo o tempo, e foi quando me veio a última alternativa - os remédios. Mas essa não era minha meta, não era o que eu tinha planejado. Eu sei que muitas pessoas se dão super bem com os medicamentos, conheço pessoas que se curaram da ansiedade por eles, e sou a primeira a apoiar algo que te faça bem, mas não era a minha meta, entende? Não foi assim que eu havia planejado, e a ideia de tomá-los não me fazia bem. Mas eu estava cansada e decidi me render, porém minha história com os remédios duraram 3 dias apenas, e é aqui que chegamos á melhor parte do texto:

Ele me curou
Não costumo contar isso abertamente, pouquíssimas pessoas sabem porque é algo muito forte e especial para mim. Não contarei detalhes, de uma forma resumida:
Um belo dia visitei um lugar incrível, do qual eu tenho muito amor e admiração, uma igreja. Sempre fui cristã, mas jamais tinha vivido algo parecido.
Despretensiosamente cheguei lá, nem imaginava que aquele dia iria me marcar para todo o sempre.
Naquela manhã de domingo, na inauguração daquele lugar, Deus me chamou, usou algumas pessoas, e pela voz de alguém me disse em alto e bom tom: "Você não vai precisar de mais nada, filha. Nada além de mim. Eu estou te curando, Eu vou ser sua calmaria." São exatamente essas palavras que eu guardo.
Não sei te explicar o que senti, e jamais saberei. Saí daquele lugar me sentindo extremamente mais leve, como se um peso tivesse sido removido (eu também chorei horrores, o que pode realmente ter me deixado mais leve). Depois daquele dia minha vida reiniciou. Não precisei de medicamentos. Os problemas que me afligiam foram resolvidos, minha família se refez, tudo começou do zero. Naquele ano (2017) eu enfrentei meus medos de frente, tirei carta, comecei a faculdade que eu gostava mas tinha medo de fazer, comecei a investir no blog, comecei a viver de fato. Eu estava livre, Jesus havia destravo o meu destino. 
5/3/2017, esse foi o dia que Deus selecionou para me fazer feliz. 

Minha intenção com esse texto é te dizer que tudo tem cura. Te dizer que tá tudo bem !
Te dizer que eu não sei qual é o seu modo de crer sobre essas coisas, mas que fé, determinação, coragem, força, são coisas que moram em você e que vão te fazer vencer, chegar lá onde você quer e da forma que você sonha.
Esse texto é um resumo da minha versão de um problema que aflige muita gente hoje, eu sonhava em escrever tudo isso, mas só me senti pronta agora.
Olhando para trás eu me inundo de gratidão e emoção. 
Seja o que for que te trave hoje, tem jeito, tem solução, tem um pouco de Jesus pra ti. E eu não digo religião, eu falo sobre uma pessoa que mudou a minha vida todinha e ainda muda.
Família, tratamentos, fé, e acima de tudo Jesus são capazes de transformar, regenerar, refazer, coisas que aos nossos olhos são impossíveis.

Eu tô aqui, sou cheia de questões, erros, coisinhas. Sou humana, imperfeita, choro, tenho medo, fico ansiosa, fico brava, fico feliz, mas algo é nítido dentro de mim - Alguém Perfeito caminha comigo, e me cura do que for, e quantas vezes for preciso. <3

foto do post: Roberta Vicente Blog

Não diminua seus sonhos para caber nos seus medos




O medo existe, e acredite, as vezes ele é bom, e todo mundo carrega ele, ninguém fica imune.
Ele te priva de fazer coisas que podem te prejudicar, e te garante aquele frio na barriga quando algo bom ou novo está chegando. Sabe qual o melhor de sentir medo? A sensação de passar por cima dele, é surreal ! Acredito que o propósito original do medo seja justamente esse, não te paralisar, mas te fazer analisar as circunstâncias, aumentar a adrenalina e chegar ao teu destino.

Nosso papo hoje é sobre sonhos e medos. 
Os sonhos são bons, particularmente eles me impulsionam, me alimentam todos os dias, me movem, me inspiram e me levam além. Boa parte minha hoje é feita e preenchida por eles. Cada ação, suor, e decisão sempre são com uma meta, um objetivo maior, um sonho. E o prazer de realizá-los traz renovo, ânimo e até sentido às nossas vidas.
Mas eu percebo muitas pessoas que deixaram de sonhar com coisas que queriam muito por medo. Medo de não conseguirem, medo de não serem boas o suficiente, medo de não serem dignas, medos de não conseguir passar pelo próprio medo.
E eu também já fui assim, não só fui como sou propensa á ser barrada por ele em algumas circunstâncias.
O medo ... ele pode ser muito grande, injusto e maldoso, já fez parte demais da minha vida, bloqueou um tanto de sonhos durante um tempo, me privou de diversas coisas, até eu aprender que ele poderia ser um aliado para me sentir capaz e realizada, até eu aprender que ele poderia me sinalizar o quão importante algumas coisas eram, e que o sucesso na realização de algumas coisas chegaria, aprender a lidar e limitá-lo.
Quando ele bate, (e as vezes bate forte), eu sei que é minha chance de atropelá-lo e sentir a melhor sensação do universo, aquela sensação de "eu consegui, eu posso."

Nem sempre foi assim. Por um longo tempo eu me diminui, me limitei, compactei meus sonhos para caberem dentro dos meus medos, fui morando de aluguel na zona de conforto (ela é segura, mas é monótona). Minha vontade por um tempo foi de entrar numa bolha e ficar por lá. O medo, quando deixamos que ele fale muito alto, soa dizendo mentiras e é muito fácil acreditarmos nelas. Por muito tempo eu acreditei. Por muito tempo eu me diminui. Por muito tempo eu morei no nível mais confortável da zona de conforto, mas nunca me conformei de verdade com ela.
Até que eu enjoei do tédio, entrei numa longa fase de autoconhecimento que dura até hoje, que doeu bastante no começo (porque crescer e amadurecer dói), e comecei a alimentar os meus sonhos novamente, até serem maiores do que os meus medos. Peguei minhas coisas, e fiz de mim minha casa própria, conheci a sensação mais incrível: a de atropelar os medos, quebrar as barreiras, e realizar. 

Todo mundo pode ! 
Todo mundo consegue, e se eu posso dar um conselho hoje depois de ter passado por tantas fases complicadas por causa do medo, é : Não diminua os seus sonhos para caberem nos seus medos. Sob nenhuma hipótese.
Se conheça, saiba quais são seus desejos, seus sonhos, suas expectativas verdadeiras, seus requisitos, suas condições, sua força. E faz do medo o seu aliado, trampolim, mola propulsora, "cê" consegue sim, se eu consigo você também consegue !

Que os nossos medos não nos barrem, não nos limitem nem nos definam. 
Que nossos anseios não nos parem, que a nossa coragem seja o meio de transporte, e que a gente tenha noção da nossa potência, dá pra voar tão, tão alto ! É só querer.
A Bíblia diz que o Amor perfeito expulsa fora o medo ruim. "No amor não há medo, ao contrário, o perfeito amor expulsa o medo." 1 João 4:18 - E isso é tão verdadeiro ! Provando do Amor de Deus eu comecei a ser curada dos meus medos ruins, dos receios que fazem mal, das barreiras. Sem dúvida alguma Ele nos leva além, aquEle que pode todas as coisas reina sobre tudo e é nosso Pai. Você tem dimensão disso? Nada pode nos parar ! Deposite seus sonhos nEle, e deixe com que Ele guie toda a estrada, e VAI ! 
Não diminua seus sonhos. Não deixe de sonhar. Vai valer a pena ! <3


Esse mês vai ter post toda Sexta, me siga nas redes sociais para ver as novidades, e coloca seu e-mail em "newsletter" aqui do lado para receber tudo em primeira mão.

Para cada dose de intensidade, duas de coragem



Bem que eu gostaria, mas não tem como conter essa minha mania de ser intensa em tudo. 
Esses dias li em um livro que a intensidade as vezes é o mal da alma, e achei tão real ! A maioria das pessoas acham que é clichê ou bom ser intenso em tudo, mas nem sempre é. Algumas coisas na vida exigem calma, paciência, leveza, mas quem tem essa intensidade dentro de si tem aquela ansiedade, aquele "trem" no coração que acelera sem comando, e só vai. As vezes acerta a direção, as vezes machuca alguém, e as vezes quebra no meio. 
E me desculpa se você foi esse alguém atropelado pela minha intensidade, não era a minha intenção.

(É importante não usar "intensidade" como uma desculpa para atitudes ruins ou situações que precisam ser tratadas. Intensidade é uma característica, um tempero, uma diferença. Se algo te faz sofrer demais ou faz as pessoas sofrerem, cuida disso, tá?)

Eu sou aquela pessoa que chora com comercial de TV, que chora de alegria e de empatia quase sempre. 
Sou aquela pessoa que demora no banho, ou cantando de felicidade, ou chorando por algum motivo. Sou aquela pessoa que fica olhando as estrelas e perde a noção do tempo, de espaço, de vida terrena.
Todo mundo que me conhece percebe que as vezes me perco no "mundo da lua", que na verdade, é o meu mundo particular.
Sou aquela pessoa que, as vezes, discretamente, fecha os olhos num momento bom na tentativa de eternizar aquele momento em algum lugar dentro de mim.
Sou aquela pessoa que chora sonhando, e que sonha tanto acordada quanto dormindo. 
Sou aquela que eterniza pessoas em textos, em poemas, em lugares, em músicas, em alguma coisa.
Sou aquela que fica com dor de tanto dar risada, e ao mesmo tempo, aquela que as vezes adormece de tanto chorar. 
Sou aquela pessoa que sente tudo á flor da pele, que se apega rápido, que ama de graça, que aproveita e se encontra nas coisas mais simples. 

Essa intensidade doida já me fez cutucar feridas onde eu deveria apenas estancar o sangue.
Mas ao mesmo tempo, essa intensidade doida já me fez viver momentos incríveis de uma forma totalmente particular.
Essa intensidade doida, ao mesmo tempo que me deixa "na bad" total quando algo ruim acontece, e me faz prometer nunca mais ficar perto daquela situação, pessoa, ou sensação, é a mesma que me cura e depois me faz me jogar de novo quando surge uma nova oportunidade de sentir algo intensamente bom.
Essa intensidade doida, vem acompanhada de um "acreditar". Ainda que algo já tenha dado errado naquele sentido, uma, duas, ou 50 vezes, eu ouço uma voz que ecoa de dentro dizendo "Dá pra tentar mais uma vez, e se essa for A VEZ? Você vai perder por medo dos machucados?"
É preciso coragem para ser assumir intenso num mundo cada dia mais frio.
É preciso coragem para acreditar de novo, para levantar dos tombos e continuar simplesmente pelo desejo de chegar onde se quer chegar.
É preciso coragem para mudar a rota quando o coração te chama para outro lugar.
É preciso coragem para investir em sonhos que, talvez, muita gente não acredite. (E haja ousadia e intensidade para não se prender á opiniões alheias.)
É preciso coragem para acreditar em si, nesse poço de sentimentalismo com algumas doses esporádicas de razão.
Para cada dose de intensidade, duas de coragem.

Mas sabe o que é bom nisso tudo ? A certeza de estar vivendo á vida da forma mais viva possível.
A certeza de aproveitar cada situação, a certeza de que as coisas consideradas "normais" para os outros, como um pôr-do-sol, uma música, uma cena rotineira, ou um abraço, trazem emoção e são vividas de uma forma real e grande, e jamais vão passar despercebidas por nós.
A certeza de viver, compensa toda a bagunça que a intensidade traz na bagagem. E por falar em bagagem, as experiências que essa intensidade toda traz não precisam nem ser mencionadas.

Viver á flor da pele é como ser de vidro, as vezes corta, as vezes quebra. 
Só que se regenera. Sempre se regenera.

Coragem para quem é intenso, e que sorte de quem tem uma pessoa intensa na vida.